Crônicas de uma GP: Ménage, Fetiche do Corno

Mais uma vez Suzanna Prado nos mostra sua arte escrita. Dessa vez, trazendo um conto erótico sobre um homem cujo fetiche era ver sua parceira sendo possuída por um outro macho, mas o que acontece depois disso é incrível.

Caso você queira fazer seu post, criar seu conto ou deixar sua contribuição especial para o blog, use nossoformulário de contato com o título, o texto e seu nick para publicarmos.

Confira:


A fantasia de me ver possuída por um estranho era antiga. Porém só era presente em seu imaginário.

Semanalmente ele tocava nesse assunto e o tesão só aumentava a cada dia.
Finalmente o momento de me compartilhar com um macho estava prestes a se tornar real.

Convidei um macho negro, dotado, jovem, viril, alto, forte, exatamente como ele havia me pedido.

Chegou o dia, eles estavam ansiosos, o corno sentia a boca seca, coração palpitando.
Eu, estava feliz e radiante. Tomei um banho demorado, cuidei da depilação, esfoliante para deixar a pele macia e perfumada!

Pedi ao corno para escolher uma lingerie bem sexy e provocante para ele se deliciar na sensualidade que esse pedacinho de pano produz: nas mulheres, nos sentimos poderosas, nos homens, a imaginação vai longe.
O nosso macho chegou, enfiando um beijo suculento me tirando o fôlego. Meu corno vendo aquela cena, já ficou ruborizado de tesão.

O corno nos serviu um belo "frisante", continuamos a nos beijar, ele passava aos mãos grandes pelo meu corpo.
Eu notava o corno sempre nos observando e cada vez mais excitado.

Nos direcionamos ao quarto, fui sutilmente colocada em cima dos lençóis brancos, macio, cheirosos.
Ao mesmo tempo que sentia mãos percorrendo minha pele, sentia bocas úmidas e quentes me degustando.

Meu negro lindo colocou meus seios dentre suas mãos gigantes e começou a lamber e mordiscar. Intercalando dente/lambida.
Meu corno foi ao seu local preferido, no meio das minhas pernas. Me lambia de forma suculenta.

Nosso tesão atingira o ápice. Precisávamos nos possuir. Foi exatamente o que fiz. Pedi ao corno para colocar o preservativo em nosso convidado, ele prontamente fez.

Sentei naquele homem bem devagar, sentindo cada pedacinho daquele membro que pulsava de tesão. As veias saltadas prontas a explodir de prazer.
Meu corno veio me beijar olhando nos meus olhos, minha felicidade e tesão era refletida em meu rosto.

Permaneci sentada cavalgando e aumentando o ritmo. Minha respiração estava ofegante quando meu corno veio lamber minha bunda. Era exatamente esse o momento que eu aguardava ansiosamente.

Precisava ser possuída por aqueles dois homens.
Pedi para eles trocarem de posição, deixei o corno em baixo e falei para aquele ébano possuir minha traseira com força. Prontamente fui atendida.

Meus gemidos pareciam uivos. Sentir preenchida, o peso daquele homem gemendo e suando em cima de mim, o corno não aguentou a pressão do excitamento e logo atingira o ápice.

Continuei de 4 servindo minha traseira aquele homem que me deixava alucinada. A pele estava arrepiada e grudada no corpo dele. Ele cruzava os braços longos em volto do meu corpo alcançando meus seios. Apertava. Eu gemia languidamente.

Meu prazer estava prestes a explodir quando pedi força! Foi o suficiente para nós dois sentirmos um calor indescritível e atingirmos o clímax juntos.

Quando eu estava gozando olhei bem no rosto do safado do meu corno. A satisfação dele era tal qual a minha.
Nos jogamos na cama os 3 entrelaçados e plenos. Satisfeitos pelo prazer mútuo.

Permanecemos em silêncio, apenas o som de nossas respirações. As mãos percorriam os corpos.
Ficamos ali até cochilarmos de exaustão.
O cheiro de tesão e sexo permanecera no ar.

Por: Suzanna Prado
www.suzannaprado.com
Twitter @suzannaprado_gp
Cel 11 - 98430 6767

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.