Crônicas de Uma GP: Rainha Suzanna em Pleno BDSM


Desde quando iniciei minha vida profissional como Dominatrix os fetiches em relação ao BDSM são cada vez mais intensos.

Cada um deles é sempre envolto em histórias, tipo um roteiro a ser seguido.

Fui chamada para uma seção de Bondage, Tortura, Cócegas, Velas, Dominação, Facesitting e o que mais minha imaginação permitisse.

Ele chegou um tanto tenso, acertamos os limites de dores e marcas corporais.

Despiu-se. Deitou-se. Nervosismo era evidente.
Eu o vendei.
Dali em diante, seu corpo me pertencia.
Tratei de amarrá-lo, bem firme.
Suas pernas ficaram imóveis.
Os braços foram amarrados e punhos algemados.

Era nítido o seu prazer. Tamanho seu excitamento.
Porém ele estava imobilizado e usava uma mordaça.

Agora era a vez do meu show.
Peguei uma pedra de gelo e uma pluma de pena.

Eu chegava com minha boca bem próximo da boca dele com a voz rouca e ofegante, a respiração cadenciada, perguntei se ele queria sentir um beijo e gargalhei.

Peguei o gelo e comecei a deslizar por seu corpo alternava com a pena, ele se contorcia de cócegas e excitamento.
Afinal ele estava amordaçado.
Os pés eram meu foco principal com minhas unhas longas e a pena, em seguida eu deixava o gelo escorrer, ele se contorcia como um doido!

Tirei a GagBall (mordaça) e sentei em sua boca, Facesitting, o seu prazer era indescritível!
Peguei o gelo e deslizava na cabeça do seu pênis até ficar bem gelado, em seguida colocava minha boca quente, esse homem estava enlouquecido.

Isso tudo sentada em seu rosto, continuei com essa tortura por alguns minutos.
Para aprimorar minha tortura e aumentar o prazer dele peguei uma vela e comecei a derramar a cera e alternava com gelo.
A sensação quente/frio da pele dele ia ficando arrepiada a todo instante se contorcendo.

Parei com tudo!

Ele respirava retomando o fôlego. Sem saber o que viria.
Todo amarrado ainda.
Apenas sem a GagBall.
Cheguei próximo do seu ouvido e disse: vou fazer você sofrer, não faça barulho.

Passei óleo em minhas mãos e comecei a fazer movimentos da Massagem Tântrica em seu pênis, quando eu sentia que ele estava prestes a gozar, eu parava.

Voltava para o seu pé e mais cócegas com a ponta das unhas e depois mais Tântrica, fiz isso umas três vezes até que finalmente chegado o Grand Finale.

O êxtase dele foi tão intenso, tão forte devido o excesso de estímulo que seu corpo todo estava em choque.
Ele me pediu alguns minutos deitado para se recompor até conseguir se levantar.
Pois suas pernas estavam dormentes e com uma descarga elétrica ainda devido o esforço do seu prazer.

Fui tomar uma ducha e o deixei ali se recompondo.
Quando voltei. Ele estava sentado.
Ofereci uma água.
Ele pediu ajuda para levantar.

Dei risada e recomendei que ficasse mais tempo sentado.
Longo tempo depois ele conseguiu ir à ducha e finalmente agradeceu a "tortura".
Beijo em meus sapatos.
Porta à fora.
A Rainha, realizada! 👑

Por: Suzanna Prado
www.suzannaprado.com
Twitter @suzannaprado_gp
Cel 11 - 98430 6767

Veja também

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.