Diário de uma Camgirl: Não é só de sexo online que vive uma camgirl

moranguinha_sexo_ao_vivo_camerahot (4)
Essa é a modelo Moranguinha, do site CameraHot. A coluna Diário de uma camgirl é de autoria anônima e não da referida modelo.

Tenho que dizer que ser uma camgirl superou minhas expectativas, pois quando somos iniciantes, temos a imagem que tudo que você fará durante um bate-papo na webcam é sexo online do mais louco e sempre o mais gostoso.

Se engana feio quem pensa dessa forma, mas confesso que logo que fiz meu cadastro no CameraHot e entrei para esse mundo, era realmente essa visão que eu tinha. Confesso que hoje penso “que tolinha eu era”, mas é inevitável achar que você vai ter algo a mais do que muito gozo diário.

Como sempre, lá estava eu toda na beca com a lingerie mais sensual que eu tinha em frente à webcam escutando uma música para dar uma esquentadinha, só na espera do primeiro usuário do dia entrar na minha sala para nossa interação.

Apareceram alguns, porém, logo saíram, o que é bastante comum, afinal, talvez eu não fosse o biotipo deles, e então, quando eu ia levantar para buscar água, entrou um usuário com o apelido de @Gatonu e me cumprimentou com um “boa noite, querida! Como você vai?” E eu já mais que de pressa fui respondendo.

Afinal, quem entra em sua sala quer sua atenção, portanto, eu sempre converso com todos e trato gentilmente qualquer pessoa que conversa comigo. Sou daquelas que não nega um sorriso e que sabe seduzir com toda essa espontaneidade.

Desenrolamos uma conversa de apresentação para saber um pouquinho mais um do outro, mas papo vai, papo vem, quando percebemos, já tinha se passado algum tempo e até então ele não tinha pedido um show de strip-tease ou qualquer coisa do gênero.

Durante nossa conversa, ele me contou que estava em viagem sozinho em um quarto de hotel e tinha acessado o CameraHot por se sentir solitário, querendo alguém com quem conversar e matar um pouco de tempo.
Aí já não tinha mais jeito, ele começou a desabafar e me contar que estava muito doente, porém, não tinha coragem de contar para sua mulher e seus filhos pois se sentia na obrigação de ser a fortaleza da família e não queria que o olhassem com fragilidade e pena.

Nesse momento, já tínhamos concordado em liberar o áudio para que nossa conversa fosse mais bem entrosada e eu, como uma boa ouvinte que sou, fiquei ali só escutando e analisando tudo que ele me contava.
Por instantes fiquei calada. Não sabia muito bem o que falar, afinal, sou daquelas que não curte muito ouvir tragédia, mas não podia deixá-lo falando sozinho, então, comecei a aconselhar aquele solitário usuário.
Após muito papo e muitas histórias de ambas as partes, percebemos que já havia se passado muito tempo. Já era de madrugada e como ele teria uma reunião logo cedo, se despediu de mim com a promessa de que no dia seguinte voltaria para que conversássemos mais um pouco.

Com um sorriso no rosto que nem parecia de uma pessoa doente em fase terminal, ele se foi. Mesmo sem nem ter feito um sexo na webcam, ao final daquele atendimento, decidi deslogar do site e dormir: estava em um momento de reflexão, pensando no quanto eu era mal agradecida com a vida.
Foi então que eu percebi como existem pessoas carentes nesse mundo, que talvez não tenham em quem confiar ou talvez não se sintam à vontade em conversar com as pessoas próximas, e acabam procurando nós, camgirls, para desabafar sem ter a pretensão de fazer um sexo online.
Assim como o prometido, o @Gatonu voltou a minha sala várias vezes e tivemos muitas noites de pura conversa, desabafo e diversão.

Fizemos um lindo laço de amizade virtual, porém, depois de algum tempo ele não voltou mais, lamento ter de pensar que talvez ele tenha ido para sempre, mas dentro de mim ele ainda continua vivo e será para sempre o @Gatonu que eu conheci.

E se você está aí pensando que esse foi um caso isolado de caras que procuram camgirls para conversar, errou novamente, pois existem muitos e muitos caras carentes que me procuram apenas para bater um bom papo e sem nenhum interesse sexual.

O que me faz gostar ainda mais do que faço, pois aprendi que quando desejamos o bem, o bem nos deseja também.

Veja também

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.