Crônicas de uma GP - Homenagem a Suzanna Prado - Um Sonho Erótico

Hoje as Crônicas de uma GP trará um texto diferente. Ao invés dos clássicos e maravilhosos textos da nossa lindíssima Suzanna Prado, nós vamos trazer um texto que um dos fãs da nossa maravilhosa Garota de Programa e escritora fez para ela.
Caso você também queira escrever seu texto e deixar a sua marca no blog, entre em contato pelo nosso formulário de contato.

Confira:

Dessa vez a Crônica será um pouco diferente,  pois fui agraciada por um presente de um querido fã e seguidor.

Por questões de sigilo e respeito,  prefiro não expor sua @.

Mas deixo expressa meu carinho,  gratidão e imenso prazer em poder dividir com nossos leitores esse texto maravilhoso.

Beijo enorme em seu 💟

Suzanna Prado

 

Su...em meu sonho a avistei usando calça branca justa e uma blusa vermelha presa com um cinto negro que realçava como sempre sua linda bunda, como a calça era branca dava para notar o pequeno fio dental socado em suas curvas, você entrou em meu carro, olhou para mim e deu aquele sorriso tão lindo que me encanta.

Comecei a beijá-la sem pressa, passei minha mão atrás da sua nuca e levemente comecei a massageá-la enquanto me perdia entre seus lábios. Seu hálito mentolado delicioso, mordisquei seu lábio inferior e novamente voltei a beijá-la percebendo que a cada segundo sua respiração estava mais ofegante e suas mãos buscavam meu rosto para curtir aquele momento. Parei olhei nos seus olhos e você então falou: “Vamos logo para sua casa… quero ver estrelas. ”
Enquanto íamos para minha casa conversávamos sobre como foi o nosso cotidiano, rotinas e afazeres profissionais. Entramos em minha rua e encaminhei para a penúltima casa do lado esquerdo. Peguei em sua mão, abri a porta e sem muita espera você já foi caminhando para o andar superior rumo ao meu quarto, aproveitei e fiquei a encarando enquanto subia as escadas… O seu rebolado suave, a minúscula marca da calcinha e a cada espaço de 4 degraus, suavemente virava seu rosto e dava um sorrisinho misto de luxúria e sutileza.
Voltamos a nos beijar, porém desta vez com mais avidez, sua respiração a cada momento ficava mais alterada e percebi que seus batimentos estavam acelerados – sabe o momento certo de beijar, tocar e deixar ser tocada. Comecei a beijar seu pescoço, além de arrepiar seu corpo inteiro, seus mamilos ficaram eriçados, novos beijos, feromônios a mil, retirei calmamente sua blusa vermelha deixando a mostra um seio com sua auréola simétrica fazendo um lindo desenho com os mamilos escurinhos.

Comecei a passar levemente minha língua em sua auréola e mordiscar minimamente seus mamilos enquanto que com minha mão esquerda procurava sua vagina, comecei a tocá-la e afastei o fio dental para o lado e deslizei meus dedos por sua buceta quente e ensopada.
Voltei a beijá-la e mordiscar seus seios com um pouco mais de pegada e comecei também a dar pequenas lambidas na sua barriga até chegar a sua calcinha. Tirei sua calcinha com os dentes e mergulhei em seus líquidos perfumados, mordiscando hora sutil hora ferozmente os grandes e pequenos lábios inchados, seu monte de Vênus, sua virilha e seu clitóris. Este último prendi entre meus dentes e comecei a lambê-lo freneticamente.

Neste momento tu pegaste minha nuca e forçou sua pélvis ainda mais contra a minha boca e começou a fazer movimentos ritmados anunciando que seu orgasmo estava muito próximo… acelerei ainda mais meus movimentos e apalpei seu mamilo direito, foi quando ouvi uma explosão de gemidos e sussurros denunciando seu primeiro orgasmo. Lhe servi uma dose de whisky com gelo de água de coco, retomei o fôlego e fiquei analisando seu corpo nu em cima daquela cama, o contorno de sua bunda e seu conjunto gostoso de mulher, fêmea e tigresa.

Deitei ao seu lado, quando sussurrastes no meu ouvido, minha vez de te dar prazer meu surfista… mordiscou meus mamilos e foi dando pequenas bitocas do meu peito até minha cueca. Retirou-a deixando meu pênis ereto saltar para perto de sua boca. Sem delongas olhou para mim e disse: “Sua cachorra vai começar a te chupar… Se liberte, pois quero sentir seu gosto. ”
Você alternava chupadas com mordidas em minha glande e realizava movimentos cadenciados que iam até quase a base do meu pênis, tive que me segurar várias vezes para aproveitar ao máximo. Quando não aguentei mais…somente segurei mais forte sua nuca e comecei a gozar maravilhosamente, você sorveu tudo, veio subindo, mordiscou meu peito, me beijou e comentou: Agora vamos ver estrelas juntos… pude sentir novamente o calor de sua xoxota gulosa e ardente a poucos centímetros de meu pênis.
Você somente rebolou e me beijava com uma volúpia incrível, encaixando sua pélvis em meu pênis que estava mega-ereto. Foi fazendo movimentos circulares e cadenciados que me deixavam atordoados. Quase que explodi num gozo rapidamente mas subi meu tronco e praticamente numa posição de yoga encaixei sua cintura a minha, e tinha minha boca livre para fazer caricias em seus seios e minhas mãos podiam apalpar seu bumbum com firmeza. Não conseguia resistir a sua boca, seus beijos eram maravilhosos. Voltamos a fazer movimentos cadenciados e percebi o quão quente tu eras, em alguns momentos você realizava alguns movimentos com seus músculos vaginais que me deixavam doido, você com técnicas de pompoarismo e eu me segurando com sexo tântrico. Aumentei o ritmo e concentrei minhas mãos na sua cintura, fazendo com que seu clitóris naturalmente começasse a ficar mais aflorado e deu certo, percebi um grande arrepio vindo de você, sussurrastes: “Não para… por favor… não para…” segurei com mais firmeza e comecei a mordiscar seu pescoço, nesta hora seu segundo orgasmo foi inevitável e como algo mágico chegamos ao clímax no mesmo instante, nossos suores se misturaram e aquele calor em suas entranhas era mágico.

Foi um orgasmo, intenso, demorado, fazendo nossos níveis de adrenalina irem a picos incríveis. Acho que meu coração chegou a 200 batimentos por minuto. Deitei na cama, com você ainda encaixada por cima de mim, deitaste no meu peito e fiquei acariciando seus cabelos, curtindo o momento.
Fomos tomar uma ducha, deixando a água escorrer sobre nossos corpos, enquanto isso ficávamos curtindo o corpo um do outro. A água estava deliciosa e ficamos uns 20 minutos relaxando nossos corpos. Abri um desses óleos minerais e fiz uma massagem em seus ombros e descendo pelas suas costas e sua bunda. O contraste da água e do óleo era lindo… Minhas mãos agora percorriam seus seios e a cada momento observava ainda mais como é belo o corpo feminino, o seu corpo Su. Voltei a massageá-la, porém me concentrei em sua bunda linda. Massageava seu cóccix, suas nádegas e a cada toque percebia que sua respiração também mudava. Você virou-se naturalmente com um sorrisinho e sem uma única palavra já entendi o que queria… arrebitou ainda mais sua bunda e instintivamente abriu suas pernas e comecei a alisar novamente seu cuzinho, comecei a chupá-lo e a cada toque da minha língua percebia seu esfíncter contorcendo diante do contato de minha língua áspera e quente e seus sussurros ecoavam pelo banheiro. Lambuzei meu dedo médio de óleo e troquei minha língua pelo meu dedo, enquanto meu polegar esfregava seu clitóris meu dedo médio sentia seu cuzinho piscando de tesão. Senti que você estava adorando, pois começou instintivamente a se movimentar para facilitar a entrada dos meus dedos. Deixei-a ficar de lado e num movimento rápido e certeiro voltei a penetrá-la, iniciando um delicioso sexo anal. Nesta hora você não resistiu e arrebitou ainda mais seu quadril para facilitar a penetração enquanto começava a movimentar cadenciadamente com seu corpo totalmente encaixado ao meu. Alguns tapas intensos na sua bunda e sua face demonstrando tamanho tesão quando mordestes seus lábios e gemendo cada vez mais alto. Minha mão direita livre para acariciar seus seios e esfregar ainda mais seu clitóris que estava inchado de tanto tesão.
Depois você saiu rapidamente e caminhou até a cama… desliguei o chuveiro e fui atrás. Cheguei na cama, você praticamente de “frango assado” me esperava, coloquei meu pau na entrada de seu cuzinho e a penetrei novamente… Você curvou suas pernas e após penetrá-la percebi suas unhas cravando em minhas costas enquanto nos beijávamos. Como era maravilhoso sentir suas mãos em volta das minhas costas enquanto nossos corpos se duelavam para ver quem dava maior prazer ao outro. Olhei nos seus olhos brilhantes e disse: “Goza minha deusa vadia… não reprima este tesão incontrolável… vem comigo puta tesuda…” Aumentamos nossos ritmos e quase que juntos chegamos a outro orgasmo, ainda mais intenso e igualmente maravilhoso. Suas mãos estavam em volta de meus ombros me apertando ainda mais junto ao seu corpo, nossos suores se misturavam e o cheiro de sexo que emanava no quarto era surreal. Sinceramente estávamos esgotados. Acordei nesse momento… imagina como eu estava Su, todo gozado rsrs.

www.suzannaprado.com
Twitter @suzannaprado_GP
Cel 11 - 98430 6767