Crônicas de uma GP: O retorno há cada 15 dias

Ele retornou após viagem de férias, eu já sabia que ele estaria fora por um tempo maior.
Quando retornou a São Paulo me informou que já estava aqui e desejava me ver. Mas

Fui novamente ao Hotel na ZN, a cena se repetia, ele me aguardava somente envolto a toalha. Um sorriso enorme me esperando. Um beijo longo e faminto.

Era segunda vez que nos víamos, mas nossa química era magnífica, eu queria aquela boca novamente em mim.

Coloquei minhas coisas em cima da mesa, e disse que iria me refrescar, afinal era verão, e o calor estava insuportável.

Ele disse que viria junto, dei gargalhada e disse, mas você já está de banho tomado, ele sorriu e disse - tomo outro - fomos para a ducha. Ele só ficava me olhando e abraçado a mim.

Falei para ele me soltar e fazer o "serviço" correto. Sarcasticamente eu comecei a beijá-lo no pescoço e descer pelas costas, a mão ágil dele, se espalhava em meu corpo.

Já não aguentando mais aquele banho que não terminava nunca, fechei a água e puxei ele para a cama daquele mesmo jeito, ambos molhados.

Literalmente estávamos molhados, e tratamos de ficar mais ainda, começamos a nos lamber e secar a água com nossas línguas ágeis que percorreriam cada canto de nossos corpos.

Aquela língua entre minhas pernas era algo insano, não tem sensação melhor do que sentir o prazer dele ao me degustar. Tinha a impressão que ele não desgrudaria mais de mim.

Tenho q tomar iniciativa e colocar o preservativo nele, falei baixinho em seu ouvido - dessa vez vou te sentir por completo - ele apenas me deu um longo beijo e disse que eu poderia fazer o que quisesse dele rs.

Sentei em seu colo, movimentos suaves do pompoarismo, tudo muito lento e tranquilo, afinal já sabíamos do problema com a ejaculação precoce.
Ficamos um tempo num ritmo bem cadenciado, ele mal respirava, eu me deliciava em seu colo.

Porém preciso de "força e ritmo" para atingir o ápice, se eu acelerasse um pouco, a brincadeira terminaria ali.

Ele pediu que eu parasse, voltou a me lamber, lamber e não parava mais, eu já não aguentando mais, me virei e fizemos um 69 divino, ambos explodindo de prazer um na boca do outro.

Pausa para relaxarmos, em seguida comecei a fazer uma massagem por todo seu corpo, e finalmente cheguei à Tântrica.
Ele se contorcia de prazer, eu não parava com a massagem, ele gozou mais e mais, ficando de pernas trêmulas.

Uma longa pausa, recompor nossas energias. Ficamos conversando amenidades, ele me avisou que retornaria a São Paulo dali 15 dias, como era de costume, devido ao trabalho dele. E me perguntou se eu faria cia a ele num restaurante famoso da cidade.

Eu fiquei surpresa pelo convite, porém aceitei, disse que ao longo desse período íamos nos falando e acertando os detalhes.

Afinal toda vez que ele estava na cidade, os horários eram corridos.

Fui mais uma vez para cima dele, comecei a lambê-lo novamente, dessa vez não estimulei muito para não provocar muito o homem rs, fiquei de 4, olhei para trás e disse, você precisa me enrabar.

Ele me possuiu com desejo, com um intenso gosto de um banquete a ser degustado aos poucos. Dessa vez era ele quem não tinha pressa. Eu apenas me deliciava com seu corpo cada vez mais grudado em mim.

As mãos era hábeis e fortes, ele me apertava muito - amo ser apertada, prensada - cada vez mais ele foi aumentando o ritmo, eu pedia mais e mais.

Olhei para trás dentro de seus olhos e apenas sorri, comecei a encaixá-lo em minha bunda, até me tremer toda de prazer, ele sentindo meu orgasmo era mais que certo, o seu ápice viria junto ao meu.

Agora realmente precisávamos de alguns minutos quietos, recompondo nossas forças. Ficamos abraçados grudados um no outro, porém uma satisfação tão plena, fica até difícil de explicar como nossos corpos estavam exaustos e realizados.

Isso sim, é o melhor, a satisfação mútua, sentir os corpos vencerem nossos desejos.

E foi assim que mais uma vez nos despedimos. Aquele abraço muito apertado, mais beijos, muitos outros, e mais.....

Nossas bocas não se desgrudavam mais.

Ele tinha que partir, finalmente fomos embora.

A saudade começava aparecer instantes após nos despedirmos.

Mais um beijo roubado e cada um para sua cidade. A saudade, sim, ela é cruel.

Porém ele voltaria após 15 dias, e depois.....

Ficou a saudade e o desejo de quero mais! 💋

Obs. Mais uma vez a foto que ilustra a Crônica, é em homenagem a ele, que ama esse Ensaio e apertar minhas coxas. 💕

Por: Suzanna Prado
www.suzannaprado.com
Twitter @suzannaprado_GP
Cel 11 - 98430-6767